Vai ouvindo...
CDs VÍDEOS BLOG LIVROS BIOGRAFIA GALERIA SHOWS IMPRENSA
Aprendi a tocar viola no sertão do Urucuia, Minas Gerais. Larguei a Faculdade de Jornalismo em 1977 e, depois de ler o livro "Grande Sertão: Veredas", de João Guimarães Rosa, fui embora para o Urucuia, querendo saber qual era o som desse grande sertão.

Antes disso, já tocava violão e guitarra. Estudei no CLAM, escola dirigida pelo Zimbo Trio.

Morei dois anos no Urucuia, em um povoado chamado Porto de Manga. A três quilômetros dali (meia légua), na Taboca, conheci Manoel de Oliveira, seu Manelim, grande violeiro, que passou a ser meu mestre.

seu ManelimConvivi com seu Manelim e família, passei algumas temporadas em sua casa. Durante o dia trabalhava em sua roça, e à noite me ensinava viola. Nesta época mexemos com plantio de arroz na vazante. Claro que tive muito mais benefício com o que me ensinou, do que seu Manoel com meu serviço de roça. Nunca havia encostado em uma enxada, mas me esforcei bastante trabalhando a terra. O entardecer tocando viola no terreiro, acordar no inverno e ir para uma fogueira improvisada junto com seus filhos enquanto dona Vicentina preparava o café com biju, ou ficar olhando a roça e deixar o pensamento correr, calaram fundo em minha alma violeira.

Volto regularmente para o Urucuia e, para minha grande honra, sou chamado a fazer parte das Folias de Reis, uma experiência fundamental para quem quer ser violeiro.

Em 1980 voltei para São Paulo e não conseguia colocar em música toda essa experiência. Continuei os estudos, tendo aula de violão clássico com Henrique Pinto. Sou fã do Henrique, ele teve tanta paciência comigo... e me ensinou muito também sobre a viola.

Nesta época integrei o grupo de teatro VENTO FORTE, na primeira montagem em São Paulo de Histórias de Lenços e Ventos, de Ilo Krugli, que ganhou os prêmios MAMBEMBE e A.P.C.A. de melhor espetáculo infantil do ano.

Com o Vento Forte fiz uma excursão pela Europa. Não posso ver uma novidade... em seguida mudei para Paris. Estudei violão clássico com o mestre uruguaio Betho Davesaky, ganhei até uma medalha no "Concours des Classes Supérieurs de Paris".

Um dia, Betho me pediu para tocar viola. E foi direto: "Te dou aula de violão, mas o teu instrumento é a viola!" Ainda levei alguns anos para perceber que ele estava certo.

Paralelamente aos estudos, excursionei pela Europa e Norte da África com grupos de música brasileira. Tocava samba e as mulatas dançavam. Na verdade, foram dois anos e meio em que me diverti muito.

A viola foi ganhando espaço. De volta ao Brasil fiz trilhas para episódios de séries da TV Globo, como Malu Mulher e Obrigado Doutor. Toquei as violas e participei da composição da trilha da minissérie Grande Sertão: Veredas, também da TV Globo.

Compus trilhas especiais para o programa GLOBO RURAL. As matérias que musiquei: Escola de Peão e O Umbu, ganharam os prêmios WLADIMIR HERZOG e FEBRABAN, respectivamente.

Realizei uma turnê de viola-solo pela Europa, apresentando-me em festivais de World Music da Bélgica e Holanda, em 1995.

Eu Nasci Naquela SerraNa década de 90 lancei três livros, os romances: CANTO DOS PASSOS (1988) e ZÉ QUINHA E ZÉ CÃO, vai ouvindo...(1993), pela editora Guanabara e a biografia EU NASCI NAQUELA SERRA (1996), sobre os compositores paulistas Angelino de Oliveira, Raul Torres e Serrinha, lançado pela editora Paulicéia. Narrando a vida destes grandes compositores (autores de "Tristezas do Jeca", "Saudades de Matão", "Cabocla Tereza", "Chitãozinho e Xororó", entre muitas outras), é contada a história da música caipira, até a transformação desta no gênero sertanejo.

Sou colaborador da revista CAROS AMIGOS.

Tive minha primeira e última experiência em jornalismo diário como redator e repórter do jornal NOTÍCIAS POPULARES, em São Paulo, atuando na área de Variedades. É um tipo de trabalho que te afasta da viola.

Swami Júnior é meu parceiro. Temos algumas músicas, entre elas: "BOM DIA", gravada por Zizi Possi e Virgínia Rosa.

Rio AbaixoGravei meu primeiro CD solo, “Rio Abaixo – viola brasileira”, independente, que recebeu o PRÊMIO SHARP, de reve lação instrumental, em 1995/96.

O segundo CD foi “São Gonçalo”, pelo selo Pau Brasil, em 1998. Este CD foi relançado por meu selo, Vai Ouvindo, em 2013. E está sendo distribuído digitalmente pela Tratore.

Dupla PersonalidadeWandi Doratiotto e eu temos um duo, a "Dupla Personalidade", já fizemos shows em um tanto de lugar. Trabalhar com o Wandi é diversão garantida!

Fui integrante da Orquestra Popular de Câmera, que teve seu primeiro CD lançado em dezembro de 1998. Este CD recebeu o prêmio Movimento, como melhor disco do ano.

Não gosto de estúdio, mas acabei produzindo o CD "Feito na Roça", da Orquestra de Viola Caipira de São José dos Campos, e o CD "Ana Salvagni", desta cantora.

Andei participando de discos de diferentes artistas brasileiros, como: Arnaldo Antunes, Luiz Tatit, Maurício Pereira, Mônica Salmaso, Ana Salvagni, Titi Walter, Pereira da Viola, Levi Ramiro, Edson Natale, Swami Júnior, Isa Taube, Bráz da Viola, Passoca, Fábio Tagliaferri, Chico Salem, Hélio Sziskind, Carlos Careqa, grupo Corpo, entre outros.

Em 1999, entrei para o grupo ANIMA. Gravamos o CD "Especiarias", e fizemos shows pelo Brasil e Estados Unidos. O grupo recebeu o prêmio Carlos Gomes de melhor grupo de câmara de 2000.

O livro e CD "Lambe-Lambe" veio amadurecendo com o tempo, até que ficou pronto em julho de 2.000, pela Editora Casa Amarela. São retratos em forma de causos de pessoas que admiro: sertanejos, criadores de saci, poeta-jardineiro, São Gonçalo, capeta etc. O CD é a versão tocada dos causos escritos.

Dividi com o amigo violeiro Roberto Corrêa uma coluna na revista Globo Rural, contando causos, falando sobre viola e o sertão, de 2000 até 2002.

Em 1999 nasceu minha filha, a Laura, e, em 2001, meu filho, o Augusto. Sem dúvida alguma o que tem de melhor na vida é cuidar dos meninos.

Ah, a mãe dos meninos, minha esposa, é a cantora e regente Ana Salvagni. Tenho certeza que só por causa dela é que os meninos nasceram tão bonitos assim.

O instituto Itaú Cultural lançou em 2.001 uma série de CDs gravados ao vivo, chamada "Rumos Musicais". Tem uma participação minha com o violonista Paulo Porto Alegre.

Fizemos uma versão do "Mosquitão", e um movimento de uma sonata que o Paulo dedicou a mim: a "Sonata para viola caipira e violão". Quanta honra! Agora estamos querendo gravar este trabalho na íntegra.

Fiz uma versão do Boi da Cara Preta para a coletânea “Papa's Lullaby”, do selo americano Ellipsis Arts. Chique, né? São canções de ninar de vários países, na versão dos pais. Ô servicinho bom, foi só pensar na criançada e pegar na violinha. Aí chamei o violonista, compositor e também cantor Zé Esmerindo para fazer o vocal. O diretor artístico do selo sugeriu que eu cantasse, além de tocar viola. Achei bem melhor que fosse o Zé, porque minha voz ali no disco em vez de ninar ia acordar a criançada do mundo todo. O CD ganhou o prêmio Silver Parentes Choice, nos Estados Unidos.

Excursionei com os violeiros Roberto Corrêa e Badia Medeiros em 2002, pelo projeto Sonora Brasil. Foram 36 cidades de oito estados brasileiros. Quando o Roberto me convidou, fiquei meio cismado. Afinal ficar longe de casa quase dois meses, sabia que iria ser muito duro, com os filhos pequenos e tal, ai ai ai. Claro que morri de saudades, mas por outro lado gostei demais! Conhecer o Brasil, ver o tanto de arte sendo produzida em nosso país, com tamanha qualidade, poder mostrar nossa violinha do Oiapoque ao Chuí, foi uma maravilha. E mais, segundo o Badia, neste encontro foi colocada a amizade de nós três dentro de um cofre e depois jogamos a chave fora, pois realmente estamos completamente juntos.

Desta viagem rendeu o CD "Esbrangente", lançado em abril de 2003. Fizemos mais um tanto de shows pelo Brasil. E agora estamos finalizando um DVD.

Gravei as violas para o filme "Deus é Brasileiro", de Cacá Diegues. No CD que a Sony lançou com a trilha do filme, estranhamente aparece na faixa "Melodia Sentimental", que gravei junto com o Siba (viola e rabeca), o seguinte crédito para os intérpretes: Instrumental. Para quem produziu este encarte na dita gravadora parece que não tem ninguém atrás dos instrumentos.

Escrevi o ensaio A Música dos causos, para o livro “Literatura e Música”, lançado pela Editora Senac.

Baú de HistóriasNos anos de 2003, 2004, 2005, 2007, 2010, 2011 e 2013 participei de um projeto muito importante, o “Baú de Histórias”, do SESC Santa Catarina. O SESC tem um trabalho de formação de contadores de história, com oficinas, encontros e espetáculos rodando o Estado. É acreditar na força da tradição oral, contada de pai para filho, através dos tempos, com a força que esse movimento gera.

Em 2003 lancei o CD "Brincadeira de Viola". Desde que a Ana ficou grávida, pude ir mergulhando no universo da criança, do tempo que eu era menino até chegar à contação de causos no quarto da garotada. Como vou explicar o que acontece dentro da gente? Nem precisa, né? Eu sei que vocês entendem. Fui brincando com a viola, ponteando as músicas que povoam nossa infância, tanto na capital como nos sertões e pronto. Convidei um tanto de amigo para participar da gravação do CD, dá só uma olhada aqui no site mesmo. Brincadeira de Viola foi lançado no belíssimo teatro Politheama, em Jundiaí, no dia 11 de outubro. Foi uma grande alegria.

Ainda neste ano de 2003 fizemos o CD "Vai Ouvindo" - junto com meu amigo de fé e irmão camarada Adriano Busko, na percussão e vocal, e meu irmão camarada e amigo de fé Tuco Freire, no baixo elétrico e acústico. O repertório foi sendo montado em nossos shows e conversas. Resolvi colocar as violas turbinadas em algumas faixas. Ouvi muito Jimi Hendrix e fiz um bombardeio em Canudos, repetindo o que ele havia feito com o hino americano bombardeando o Vietnã. Claro que gravamos um “quatro”, uma folia de Bom Jesus, mas acabou aparecendo o rap "Andei, Andei", inspirado em um livro do Sinval Medina; ah, tem a incrível história dos gêmeos Pedro e Paulo, além de Round Midnight, com viola de cocho e baixo acústico. Só ouvindo.

Em 2004 fui convidado pela Orquestra Sinfônica de Campinas, junto com o violeiro Ivan Vilela, para 2 apresentações de viola e orquestra. Os arranjos de nossas composições e clássicos da música caipira foram de Renato Keffi (lindos!) e a regência do maestro Cláudio Cruz. Depois de um certo nervosismo de ver a viola junto com aquele mundo de instrumento, foi bem emocionante tocar com a orquestra.

Vida de ArtistaEm 2004 e 2005 produzi, junto com meu irmão Tuco, o CD “Vida de Artista”, de nosso pai, Roberto Freire. Chamamos os amigos para participar e foi uma alegria. O amor com que todos participaram do projeto, nos fez apostar ainda mais em sua beleza.

Na mesma época acompanhei a gravação do novo CD da Ana Salvagni: “Avarandado”. Fiz alguns arranjos e toquei a violinha. E mais, enquanto a Ana gravava, fiquei correndo atrás dos meninos. A Ana produziu e cercou-se de grandes músicos (fora o violeiro mais ou menos), e o CD ficou lindo.

Meu amigo Roberto Moreno jogou a isca e eu caí direitinho. Convidou-me para escrever um blog no UOL. No começo fiquei desconfiado desse tar de brógui, mas depois achei bão demais. Dá só uma olhada: paulofreireblog.zip.net

Junto ao inseparável Roberto Corrêa, fizemos a consultoria para o livro "Viola Instrumental Brasileira", de Andréa Carneiro de Souza, com partituras e CD dos mestres violeiros do Brasil. A Andréa viajou o Brasil inteiro, gravou os mestres com seus toques ancestrais, aí fizemos a seleção que resultou neste trabalho fundamental. É material de estudo e fonte de muitas belezas.

Em 2006 fui convidado pelo programa “Globo Rural” para participar da série “Tropeiros”. Cheguei lá com a violinha e foram me dizendo: “pode guardar a viola, você vai de ator, quer dizer, contador de causo...”. Fiquei preocupado e achei que não ia dar certo. Mas como sou fã do programa e das pessoas que o fazem, fui na conversa deles. Quando vi, estava vestido de Firmino, decorando texto montado em cima de uma mula. Só vendo... Cês viram?

Criei a trilha sonora para o espetáculo de dança “Relevo”, da Confraria da Dança, aqui em Campinas. Foi muito estimulante tocar a violinha a partir dos movimentos e depois ir se ajeitando na concepção do espetáculo.

Produzi o CD “Urucuia”, de Manoel de Oliveira, meu mestre de viola. Fizemos alguns shows de lançamento pelo Brasil. Achei que ficou bonito demais. Ele tem uma delicadeza junto com força da natureza ponteando sua violinha que é uma maravilha. Estamos gravando um CD novo para ser lançado em 2014.

Em 2007 lancei o CD “Redemoinho”. Onze músicas instrumentais e um causo, tudo inédito. Com uma formação muito legal: violoncelo, sax, flauta, baixo e percussão. Fiquei animado com o menino!

De tanto contar história para as crianças e adotar seus preciosos palpites, escrevi o livro infantil “O Céu das Crianças”. Fiz um show sobre o tema e lancei, pela Companhia das Letrinhas, em 2008.

Minha amiga Myriam Taubkin, dez anos depois de ter produzido a série “Violeiros do Brasil”, com CD e programas transmitidos pela TV Cultura, lançou em 2008 um livro e DVD com estes mesmos violeiros. Esteve na cada de cada um deles, conversou e filmou um bocado e o resultado foi maravilhoso. Temos feito alguns shows dos Violeiros, com produção impecável e diversão garantida.

Tive a imensa honra de ser convidado pela produção do “Viola minha Viola”, para fazer a trilha de abertura do programa. Já está no ar. Tudo que envolve a Inezita Barroso, vou correndo fazer, pela fundamental importância que ela tem para a cultura brasileira. Eta programa que eu gosto!

No final de 2008 montamos o musical “Pedro Paulo”, com o Centro Experimental de Música, do SESC Consolação. Desde que conheci a história dos gêmeos voadores, quis fazer este espetáculo. Com a parceria do SESC e a atuação de todos os alunos do CEM, foi uma experiência incrível. Brinquei de ser ator, trabalhamos um bocado e transbordamos de alegria.

Passei os anos de 2008 e 2009 preparando o “Nuá – as músicas dos mitos brasileiros”. Fizemos uma turnê de lançamento boa demais. Encontrar e conviver com os mitos, levar os arranjadores para conhecer, topar com o acontecido e se aprofundar, chamar os músicos, escrever os causos... Só lendo e ouvindo. Vão ouvindo!

No final de 2010 lancei o livro “Jurupari”, um romance violeiro e mitológico, com o pé na estrada. “Jurupari” conta a história de um violeiro em formação cruzando o Brasil a pé, de ônibus, barco, caminhão - de tudo quanto é jeito -, sendo guiado pelos mitos, pela música e pela descoberta do amor. Se puder contar com a companhia de vocês na descoberta do Jurupari vai ser um prazer sem tamanho.

E juntamente com Roberto Corrêa, somos os curadores do projeto “Voa Viola”, um festival nacional de viola, com premiações, shows pelo Brasil e uma Rede Social que é uma maravilha. Visitem www.voaviola.com.br.

O grande acontecimento de 2010 foi o prêmio que a patroa, Ana Salvagni, ganhou com o CD “Alma Cabocla”. Foi o melhor CD, categoria regional, do Prêmio Vale de Música Brasileira. Nós dois no Teatro Municipal do Rio, chique demais, a hora que anunciaram o nome da Ana, só não pulei da cadeira pra não dar vexame. Viva!

Com o Jazz Combo, de Tatuí, sob a direção do Paulo Flores, montamos o espetáculo “Nuá”, adaptando os arranjos para a formação do Combo. Foi uma grande alegria, esse povo de Tatuí é forte absurdo.

Em 2012 lançamos a segunda edição do Voa Viola, Festival Nacional de Viola. Roberto Corrêa e eu fomos os curadores, a coordenação geral do projeto é da Juliana Saenger. O Festival que conta com premiações, Rede Social, shows pelo Brasil, foi fundamental para este belo movimento violeiro.

Cada vez mais ligado às contações de história, em 2010, 2012 e 2014, participei do “Boca do Céu – Encontro Internacional de Contadores de História”, em São Paulo; e já estou confirmado para 2016. Esse encontro é uma maravilha!!!

Em 2013 lancei o CD “Alto Grande”, em que aprofundei a criação de causos musicados. Claro, sempre muito bem acompanhado pelos amigos músicos, fundamentais para a alegria presente em todo o processo.

Toquei viola na trilha para o espetáculo “Sem Mim”, do Grupo “Corpo”.

Em 2015, lancei o CD infantil “Violinha Contadeira”, com músicas e causos para as crianças, patrocinado pelo FICC Campinas. É um projeto que se fortaleceu nos espetáculos de contação de história que venho fazendo para a meninada.

Neste exato momento participo de uma grande aventura! Em 2015 e 2016, através do projeto “Sonora Brasil”, do SESC nacional, realizo 130 apresentações por todo o país, junto com o grande violeiro e amigo Levi Ramiro! Representamos a Viola caipira e Viola do sertão. Bão absurdo!!

Acabo de lançar o CD “Pórva” (2016), solo de viola, com 12 temas instrumentais. As músicas foram surgindo a partir de pequenas ideias, pequenos rastilhos, que de repente foram incendiados e explodiram que nem pórva! Estava precisando de um CD assim, quer dizer, a vida me encaminhou pra ficar um pouco sozinho e a viola me fez companhia.

Para 2017 estou preparando grandes projetos, afinal de contas, entrarei nos 60! O primeiro deles, confirmado, é uma parceria com minha querida brima, Léa Freire – músicas e causos. Óia só que maravilha!!

Sigo viajando um bocado pelo Brasil com shows e oficinas.

É só ficar de olho aqui na agenda do site, e em minha página do facebook, que vou colocando as novidades.

Me apaixonei pela viola pois é um instrumento que convive com diferentes profundidades. Só ouvindo.

Vai ouvindo... Vai ouvindo.